depoimentos

Nossa Mensagem

De vez em quando escuto alguém dizer:
– Pare com isso! É “apenas um cão”!!!!!

Ou então:
-Mas é muito dinheiro para se gastar com ele! É “apenas um cão” .

Estas pessoas não sabem do caminho percorrido, ou dos custo que significam ¨apenas um cão”.

Muitos dos meus melhores momentos foram trazidos por “apenas um cão¨.

Muitas das minhas tristezas foram amenizadas por ¨apenas um cão¨.

E naqueles dias sombrios, o toque de ¨apenas um cão¨ me deu conforto e motivo para seguir em frente.

Se você é daqueles que pensam que ele é “apenas um cão¨, com certeza deve entender bem expressões ¨apenas um amigo¨, ¨apenas um nascer de sol¨,¨apenas uma promessa¨….

¨Apenas um cão¨ deu a minha vida a verdadeira essência da amizade, da confiança, da pura e irrestrita felicidade.

¨Apenas um cão¨ fez aflorar a paciência e a compaixão que fazem de mim uma pessoa melhor; porque para mim…. e pras pessoas como eu….não se trata de “apenas um cão¨, mas da incorporação de todos os sonhos e esperanças do futuro: das lembranças afetuosas do passado; da pura felicidade do momento presente.

¨Apenas um cão” faz brotar o que há de bom em mim e dissolve meus pensamentos e as preocupações do meu dia.

Eu espero que algum dia as pessoas entendam que não é ¨apenas um cão¨, mas aquilo que me torna mais humano e me permite não ser ¨ apenas um homem¨…..

Então da próxima vez em que você escutar a frase ¨apenas um cão¨, apenas sorria para estas pessoas porque elas ¨apenas não entendem¨…

Papy

A mensagem foi cedida ao desabafo e dor de um cliente muito especial para nós.

Mensagem do cliente:

Todos em nossa família são apaixonados por animais, temos York Shire, Poodle, SRD, American Standfordshire Terrier e um Bull Terrier, todos convivendo no mesmo local solto, sem o menor problema. Tive que tomar uma atitude que jamais pensei ter que fazer em minha vida.

O Papy nosso Bull Terrier, tinha 6 anos de idade , nunca apresentou nenhuma doença, em uma semana e meia ele começou a mancar, achamos que tinha machucado a pata em uma de suas brincadeiras, logo entramos em contato com a Dra Letícia por telefone pois moramos em outra cidade. Ele foi medicado e não apresentou melhoras, logo após parou de abanar o rabo e de latir, a seguir o pior, parou de se alimentar. Levamos ele correndo ao consultório. Lá foi constado aumento do volume abdominal através da punção que mostrou sangue vivo na cavidade.

Após uma minuciosa ecografia, constatou-se tumores generalizados no baço, fígado e parte de rins. Não havia nada a ser feito, dali pra diante seria só sofrimento pra ele, então com muita dor, não queria o nosso bebê sofrendo. Conversei com minha esposa que ficou desesperada, optamos em fazer eutanásia
Quero deixar aqui registrado minha indignação com o ser humano pela sua ignorância e preconceito.
Meu cão um dia fugiu correndo na intenção de brincar e cheirar coisas, ao ser encontrado 2 dias ápos, com a ajuda de amigos que o conheciam . Ficamos sabendo que ele havia sido chutado, espancado, e baleado conforme projétil encontrado no RX.

Ultimamente não podia mais sair com meu cão, levá-lo para passear, mesmo com guia e enforcador, pois as pessoas me agrediam, ou chamavam a Brigada Militar (certamente sem ter o que fazer atendia prontamente e vinham em minha casa me passar sermão) como se eu fosse um irresponsável e estivesse pondo em risco as pessoas. Enquanto isso há por todo lugar assassinatos, roubos, estrupos…… é isso é feito pelo chamado “homo sapiens”,que sabe muito bem o que esta fazendo e que para justificar ou extravasar sua agressividade ensinam os cães a serem agressivos. Ai eu pergunto?….. a pessoa que atirou em meu cão tinha autorização para portar arma de fogo? Ela foi autuada, pois todos viram quando atirou ( TRES TIROS DE 22)

Se meu cão fosse violento quando da primeira paulada ele não teria tempo de continuar chutando e atirando nele, seria atacado, pois arcada dentária e porte pra isso ele tinha e como…., mas não foi feito e nem educado para isso.A mídia divulga ataques de cães em pessoas fazendo disso maior audiência.sem nenhuma preocupação em conhecer as características das raças.deveria se preocupar com seus donos isso sim.

Hoje estamos sofrendo como nunca a falta de nosso querido Papy, que tanto nos trouxe alegrias, com seu jeito especial de nos chamar para brincar, da tua felicidade quando chegávamos em casa,de quando buscava a sua bolinha …………Faço questão de informar:

O QUE É UM BULL TERRIER

Um cão, ágil, forte e extremamente fiel ao seu dono. Seu porte médio facilita a criação em ambientes pequenos ou mesmo para viagens em automóveis. É um cão muito prático, um cão que dispensa maiores cuidados, tanto na saúde por ser resistente, como na aparência por possuir pelagem curta, o que dispensa tosas e facilita as escovações e o tratamento de pulgas. Além dessas praticidades é um cão que late pouco, e é extremamente apegado ao dono. O Bull Terrier é um cão de companhia e não de guarda , pois não é agressivo com pessoas ..

Mesmo assim sua aparência impõe respeito, e faria qualquer um pensar duas vezes antes de entrar na casa ou agredir o dono. Com as crianças, tolera facilmente todas as brincadeiras infantis. Montam no Bull, segurando-o pelas orelhas… e o Bull… Gosta. A aparência singular deste cão chama muita atenção. Bonitos para uns e esquisito para outros. É um cão forte, com grande tolerância a dor. Uma tendência natural da raça. Outro traço marcante é o temperamento forte e independente, o que exige do dono, firmeza.

Dependendo do grau de convivência, o Bull Terrier é um cão sensível, parecendo entender quando é hora de brincar, ou de ficar quieto. Por ser tranqüilo e independente, costuma ficar ao lado de seu dono, sem pular sobre o mesmo ou exigir carinho a todo o momento. Por todas essas características o Bull Terrier torna-se um cão ideal e é extremamente dócil.

PAPY, deixastes um grande vazio em nossa casa e em nosso coração. Quero que saibas que enquanto estivestes conosco trouxestes só alegria ,nos ensinou que a aparência, os músculos, o porte, não quer dizer agressividade e que tudo isso pode se usado para alegrar seu dono, e principalmente fazer-lhe companhia. Nós continuaremos a te amar e nunca te esqueceremos, pois fostes um filho que perdemos e nosso sofrimento vai permanecer por muito tempo.

Que esta mensagem sirva para que muitas pessoas sejam menos preconceituosas, mais inteligentes e mais instruídas, pois a desinformação é o pior mal da humanidade . Quero aproveitar esta oportunidade para deixar meu eterno agradecimento para Dra.Leticia Renck , por sua competência, pelo seu carinho e pela sua incansável luta para salvar meu Papy e por todos anos que vem cuidado de meus filhos de quatro patas.
Obrigado Doutora que Deus a abençoe sempre e a ilumine para que continue sempre com sua enorme dedicação.

Urso

Fomos chamados para um atendimento domiciliar. Quando estávamos indo embora, nossa cliente pediu que avaliássemos um cão de rua que há alguns dias perambulava por lá. O cão aparentemente apenas mancava do membro anterior esquerdo (MAE), parecendo ter sido atropelado.

A cliente nos afirmou que ele estava atrás de uma cadela no cio e acabou ficando pela rua perdido. O cão de cor preta, SRD (sem raça definida), pelagem densa, idade desconhecida, boa aparência, bom estado físico corpóreo, demonstrou-se amigável ao nos aproximarmos. Feliz e balançando o rabo o tempo todo, deixou ser examinado com facilidade.

Ao exame clínico, apresentou mucosa rosada, temperatura corporal normal, linfonodos sem alteração, ausculta pulmonar ,cardíaca e abdominal normal assim como membros anteriores direito e membros posteriores aparentemente também normais. No MAE demonstrava perda total das unhas, ulceração de pele de grau moderado, perda da função motora, paralisia flácida, incapacidade em estender o cotovelo, carpo e dígitos, perda propriocepção e da dor profunda.

O animal foi recolhido e internado a pedido de nossa cliente para exames posteriores. O Raio-X do MAE não apresentou fraturas ou outras alterações em toda sua extensão, nas duas posições radiografadas. Chegou-se ao diagnóstico de lesão de nervo radial (este agindo como o motor para extensão dos músculos do cotovelo para baixo). Foi então que se optou pela amputação do MAE.

No mesmo dia após a cirurgia, o canino, agora já com o nome de URSO, voltou a caminhar. Quinze dias após cirurgia já estava em seu novo lar com sua nova Dona fazendo bagunça.

O URSO conquistou a todos com sua felicidade. A bondade da sua nova Dona que superou todos os preconceitos, abriu seu coração e lar para amparar e abrigar um cão de rua com deficiências físicas e entender que ele “não é apenas um cão”.

Atitude como essa é que nos leva cada vez mais a lutar e nos aperfeiçoarmos para chegar sempre a um “final feliz” como esse. Ao URSO e sua Dona todo nosso carinho e respeito.

Dra Leticia Renck e equipe

Fester

Este paciente chegou ao consultório apresentando queixa de alterações neurológicas que haviam iniciado no mesmo dia, anorexia (falta de apetite) há alguns dias, deambulação (dificuldade em manter o equilíbrio ao caminhar) há mais ou menos 2 meses.

O exame clínico revelou: baixa na temperatura corporal, leve desidratação, cabeça pendente para o lado direito, nistagno ( movimento rítmico involuntário do globo ocular ), dificuldade em se manter em pé, ausculta cardíaca e pulmonar sem alterações. O animal não apresentava nenhum sintoma de otite, sendo examinado o canal auditivo externo e a membrana timpânica sem indícios de lesões traumáticas.

De acordo com sintomas se estabeleceu o diagnóstico de síndrome vestibular idiopática ou traumática, sem lesões externas aparentes, com um quadro agudo manifestado em menos de vinte e quatro horas, sendo este segundo a literatura, mais comum em cães geriátricos. O estado mental e as reações posturais indicavam normalidade dos membros periféricos.

O animal foi medicado com dexametasona (1mg/Kg) endovenosa e internado para controle dos sintomas.
Em menos de doze horas desaparecem em aproximadamente 80%, o nistagno e a cabeça pendente, persistindo ainda um grau menor de deambulação.

Foram realizados exames laboratoriais que demonstraram que o animal apresentava um quadro de insuficiência renal, devido ao aumento significativo dos valores de uréia e creatinina sanguíneas.

Após este resultado iniciou-se o tratamento de setenta e duas horas ineteruptas com soroterapia endovenosa ( cloreto de sódio 0,9% acrescido de glicose 50%).Manteve-se o animal com sonda uretral para controle da quantidade e características da urina que estava sendo filtrada pelos rins. Juntamente foi administrado dicloridrato de flunarizina 10mg ( Vertix* ), a cada doze horas e amoxacilina de longa duração via intramuscular.

Com quarenta e oito horas de soroterapia, o cão já se alimentava e apresentava um volume bem maior de urina produzida. Setenta e duas horas após o animal teve alta clínica, indo para casa sem sintomas neurológicos, caminhando normalmente, com ótimo apetite e uma diminuição de 50% dos valores de uréia e creatinina comparados com o primeiro exame.

O Fester merece ser nosso paciente do mês, por em todo o período de tratamento, ter demonstrado em seus olhos, vontade de viver, mesmo quando seu proprietário quase optou pela eutanásia devido às poucas chances de melhora que o caso demonstrava, pela série de problemas clínicos envolvidos.

Foi um cão que nos cativou pelo seu carisma, pela sua força de vida, pelo seu comportamento exemplar em suportar todo o sofrimento do tratamento e pela alegria de sabermos que hoje ele esta vivendo normalmente.

Parabenizamos ao proprietário do Fester por ter tomado a decisão certa e com isso ter lhe possibilitado mais tempo de vida, e por ter confiado na equipe Vira Latas. Para ambos o nosso MUITO OBRIGADO .

Dra Leticia Renck e equipe